Émile Durkheim e o fato Social (Sociologia)

FATOS SOCIAIS

FATOS SOCIAIS

De onde vem nossa forma de se organizar em sociedade? Quem disse que precisamos dormir em camas? Como é que decidimos que idioma vamos falar? Quem ensinou que criança precisa ser amamentada com leite enquanto criança? De onde vem a ideia de sentar á mesa e se alimentar com talheres? Todas essas coisas fazem parte de nossa cultura e aprendemos a agir de certa maneira desde que nascemos. Até nosso modo de se expressar são moldados por nossos valores morais e éticos. Essas e outras situações de organização do ser humano são objetos de estudos da Sociologia e neste texto será analisado o chamado “fatos sociais”, sob as perspectiva de Durkheim, filósofo e sociólogo.

Para Émile Durkheim  fato social são os objetos de estudo da sociologia e que os mesmo são externo ao indivíduo; ou seja estão presente na sociedade e que variam no tempo e no espaço, portanto o homem sendo um ser social é parte da sociedade e participa dela ativamente através dos contatos sociais e as interações com o meio de forma natural como se fosse parte de si mesmo (CONSTANTE, 2012).

Sendo assim é necessário compreender o que são os fatos sociais para assimilar a ação do sujeito na sociedade como um todo. Logo, fato social segundo Durkheim é:

             As maneiras de agir, de pensar e de sentir que apresentam essa notável propriedade de existirem fora das consciências individuais. Não apenas esses tipos de conduta ou pensamento são exteriores aos indivíduos, mas ainda são dotados de uma força imperativa coercitiva em virtude da qual se impõe a ele independentemente de sua vontade. (DURKHEIM, 2007, p.14)

Segundo Durkheim (2007) quando exerço meu papel de filha, irmã, esposa ou cidadã, quando realizo compromissos que assumi, quando cumpro deveres que estão definidos fora de mim e de meus atos, nos direitos e nos costumes, ainda que estejam de acordo com os meus sentimentos e os sinta interiormente na realidade, esta não deixa a força dos fatos sociais agindo no sujeito; pois não é o indivíduo quem os concebeu, mas os percebe e os assume por meio da educação.

Os sistemas de símbolos da qual serve para expressar os pensamentos e as atitudes já existiam antes do mesmo do nascimento de uma pessoa, logo é exterior a ela.

Sendo o fato social exterior ao indivíduo é também coercitivo, ou seja, o homem por ser um ser social vivendo numa sociedade, esse vai agir, pensar e viver conforme os costumes, crenças e valores que são parte da sociedade em que vive.

Um exemplo claro disso é o matrimônio. Na sociedade ocidental não se aceita a bigamia, faz parte do nosso patrimônio cultural o homem ter uma única mulher e vice-versa. Então, quando um indivíduo é flagrado em um relacionamento fora do matrimônio é punido pela sociedade de diversas formas, como: o isolamento do meio social em vive, a rejeição por parte dos filhos e familiares, etc .

Não existem códigos e nem leis que proíbam o indivíduo de praticar certos atos fora do padrão conhecido, porém a maioria mantêm por costume, por educação e as vezes por temer uma repressão da sociedade.

Outro exemplo claro e simples é o modo que aprendemos a nos sentar numa mesa para nos alimentar. Caso um indivíduo em um restaurante sente-se e se alimente com as mãos, automaticamente as pessoas ao redor o olharão com maus olhos, correndo o risco até de ser retirado do local dependendo da classe social do determinado restaurante, no mínimo o público ao redor pensará que certa pessoal tem distúrbios mentais ou algo parecido.

Por fim, fato social é sim coercitivo e nos é imposto desde que nascemos, porém o fazemos naturalmente por estar implícito em nosso aprendizado, ou seja, faz parte da nossa educação e cultura a maneira como interagirmos e nos organizamos.

Referências

DURKHEIM, Émile – 1858 – 1917 – “Fato Social e Divisão de Trabalho”. Apresentação e comentários Ricardo Musse; Tradução Cilaine Alves Cunha e Laura Natal Rodrigues. 1ª edição. São Paulo: Editora Ática, 2007.

CONSTANTE, Armando de M.S – Livro didático “Sociologia – As origens do pensamento sociológico” pág. 22

Anúncios

2 respostas para Émile Durkheim e o fato Social (Sociologia)

  1. ediel gonçalves disse:

    qual a editora, a cidade e o ano de plubicação do livro didádico “Sociologia – As origens do penamento sociológico”

    Curtido por 1 pessoa

Sua opinião é muito importante para mim! :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s