Machado de Assis – HELENA

Helena

Helena

Clássicos Nacionais:  Helena – Machado de Assis

ASSIS, Machado de, 1839-1908. Helena. São Paulo: Paulus, 2008.

“Conta-me a tua vida o mais miudamente que puderes. Conta-me a vida de todos. Não me escondas nada; se, por exemplo, ao abrir um livro ou tocar uma tecla de piano, pensares em mim, escreve isso mesmo, marcando o dia e até a hora, se puder ser. E depois, dou-te o direito de perguntar onde ficou a minha gravidade, e responderei que há uma puerilidade séria, e que os extremos se tocam. Quando assim não seja, a culpa é do céu, que me não deu uma irmã criança; agora é preciso que comecemos pela primeira fase da vida” (ASSIS, 2008, p. 93)

O trecho acima relata bem a fervorosidade do estilo romântico que predominava na literatura no início do século XIX, o recorte trata-se de um trecho da carta que Estácio escreve à Helena durante um período que precisou ausentar-se por alguns dias.

Helena é um dos livros de Machado de Assis considerado totalmente dentro do estilo romântico. O autor trás em sua narrativa um panorama da personalidade de seus personagens, viajamos por dentro das suas cabeças e corações. Somos capazes de visualizar cada atitude e imaginar cada vislumbre diante de uma contrariedade ou de um contentamento. Pouco se fala sobre a cidade, sobre as reuniões sociais, os acontecimentos, etc. Temos o tempo todo o foco em algum personagem ou em alguma conversa ou em seus pensamentos. O autor descreve o como o personagem está se sentindo, como pensa, como é e como se apresenta para as pessoas, revela assim o quanto de falsidade inconsciente e consciente se mantêm nas maiorias dos relacionamentos.

Segundo a apresentação dada pela editora esta história foi lançada inicialmente como folhetim no jornal carioca “O Globo”, publicado em 1876 embora tenha sido escrito por volta de 1859. O Brasil vive nessa época a monarquia, regime escravocrata e uma economia essencialmente agrária, na literatura os escritores aproveitam para fazer suas críticas sociais e demonstrar a realidade brasileira, o realismo.

Sobre a história, Helena, é marcada por suspenses e jogos de palavras e situações que prendem e cativam a atenção do leitor em toda a narrativa.

Tudo começa em uma cidade chamada Andaraí no Rio de Janeiro com a morte de uma figura importante na cidade, o conselheiro Vale. Que segundo o autor trata-se de uma figura nobre pertencente á classe política e importante dentro daquele povoado. Tem como herdeiro um filho, Estácio e uma irmã solteira, a D.Úrsula, o que somava toda família do Conselheiro.

Como amigo da família, de antiga data temos a figura do Dr. Camargo e o Padre Melchior, conselheiro da família. Tem também em um papel bem pequeno, e que só sabemos dela através do pai e de Estácio, Srta. Eugênia. Filha do Dr. Camargo que tem como objetivo único na vida casa-la com o herdeiro do Conselheiro Vale, a fim de que tenha uma ótima posição social e financeira e que o leve junto, claro.

Após o funeral a pequena família abre o testamento e se depara com uma grande notícia que causa um tanto de alardes, com o descontentamento por parte de uns e consentimento por parte de outros. A família conta agora com uma nova herdeira, uma filha ilegítima do Conselheiro Vale, que solicita à sua família que a aceite e receba com carinho e afetuosidade a moça que deverá vir morar junto da família.

Helena é a moça encantadora, possui feições angelicais e modos agradáveis. Machado de Assis a coloca num pedestal quase que imaculado e aos poucos a moça cai na graça de toda a família, com um pouco mais de reservas por parte de D. Úrsula.

Toda a trama segue as voltas da vida em Andaraí e suas relações, o autor faz uma crítica veemente ás relações sociais da época, aos comportamentos inescrupulosos, a dualidade de personalidades, a fé religiosa pautada na aparência, nos relacionamentos permeados por interesses obscuros e mesquinhos, etc.

Como não se pode esperar menos ao ler uma história do romantismo, nossos personagens exibem um estado de espírito saudoso, sofredor, ansioso, etc. E a história de Helena paira um mistério sobre sua origem e também temos o relacionamento que cresce entre ela e o irmão, do qual percebemos ser um amor maior que de irmão, o que acrescenta um clima intenso e mais tenso no meio já da história, embora o autor tente o tempo todo nos confundir.

É um livro riquíssimo e repleto de curiosidades literárias e culturais, possível lê de uma única vez de tanta ansiedade e gosto que o autor cativa a cada capítulo. Os protagonistas são carismáticos e curiosos, acredito que pelo fato de que os problemas que os afligem hoje não incomodam mais nossa sociedade contemporânea ou nossas famílias da maneira tão intensa como acontecia naquela época. Os diálogos e as cartas no estilo machadiano são um encanto de beleza e escrita que aclama a voz que vem de dentro da alma.

Apesar de ter um final tão forte, acredito que foi o fim que mais se encaixaria no estilo romântico exagerado de ser. Sofrimento, dor, saudade, remorso, amores impossíveis, vergonha, estupidez, desespero são as características que fazem da trama uma obra incrivelmente envolvente e impactante na minha vida de leitor.

Excelente leitura! Vai demorar até que eu consiga absorver tudo o que senti com essa leitura. Acredito que não tenho os méritos para escrever sobre uma obra tão aclamada como um escrito de Machado de Assis, mas fiquei grata em poder me dar essa nova oportunidade e ter apreciado tão bem essa obra maravilhosa.

Até breve! E ótimas leituras!

Por Laynne Cris

Anúncios

Sobre laynnecris

Sou Elaine C. Andrade. Hoje (2017) tenho 38 anos. Sou apaixonada pela leitura e por escrever. Sou formada em Pedagogia e pretendo me especializar em Inglês, alfabetização e gestão escolar. Tenho uma fascinação por músicas e Inglês. Atualmente tenho me dedicado muito na busca da fluência e sou professora alfabetizadora em Inglês. Minha meta é passar no exame da IELTS e talvez morar fora um tempinho. A leitura é para mim um meio muito prazeroso de poder atingir locais e lugares inimagináveis, além de ser uma terapia e uma fonte de conhecimento sem fim. E quando aprendemos nos proporcionar esses momentos para entretenimento, ler torna-se uma atividade necessária para o dia a dia. Também gosto de desenhar, colorir, ouvir músicas. No entanto, faço com menos frequência (só quando surge aquela vontade enorme ou sobra um tempinho). Agora ler nunca estou sem ler algo e onde vou tenho um livro comigo. Me sinto mal se não posso ler. É uma necessidade. Embora ultimamente tenho lido mais livros técnicos e materiais em Inglês. Nasci em Suzano e atualmente moro num bairro de Mogi das Cruzes e estou aprendendo a me adaptar por aqui. Também adoro participar de comunidades de leitura no facebook e canais literários do youtube. Conhecer pessoas, descobrir novos talentos e as vezes encontramos pessoas muito maravilhosas. Enfim, sou uma mulher e profissional comprometida e apaixonada pelo que faço, amo minha minha família e amigos mais que tudo neste mundo. "Que aonde eu passar eu faço amigos e possa agregar valores e aprender também". Laynne Cris
Esse post foi publicado em Resenhas e Comentários e marcado , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Machado de Assis – HELENA

  1. O que dizer, sou fã do Machado e adoraria ler até sua lista de compras, ele escreve de forma única. Mas ainda não li o romance acima e certamente vou ler.
    Bjuss, Luh.

    Curtido por 1 pessoa

Sua opinião é muito importante para mim! :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s