Ensino Fundamental 01 – Uma nova etapa

Ens Fund 01

Acredita-se que uma das primeiras reflexões que um estudante de pedagogia ou um pedagogo deveria debruçar-se ao assumir o Ensino Fundamental 01, seria em realizar uma análise de como essas crianças percebem esta nova etapa em suas vidas. Como essa experiência é sentida por eles? Qual a condição que encontram-se no momento da transição?

A Educação Infantil cumpriu com o objetivo? Essa criança que está adentrando ao universo da palavra escrita teve a oportunidade de frequentar a Educação Infantil? Essa criança tem um relacionamento com um diálogo aberto e boa conversação com pais e amigos? Está apta a ter autonomia e assumir responsabilidades?

Parece simples, não é? Mas, não é. São situações como essa que, somadas as outras circunstâncias do dia a dia escolar, transformam o primeiro ano de muitas dessas crianças em total fracasso. Gerando, às vezes, sentimentos de incapacidade e até mesmo desesperança no professor que é comprometido.

Entretanto, vejamos nesta situação uma oportunidade para que o educador busque essa percepção e aproprie-se dos conhecimentos necessários para análise mais abrangente da situação e tomada de decisões assertivas.

Claro que não existe mágica, mas ao escolher a profissão todos estavam cientes que seria desafiante cada dia da prática. Ter os instrumentos necessários e um bom plano de trabalho é a chave para obter êxito neste novo processo da formação da criança e para melhoria diária da experiência do educador.

A habilidade em se movimentar com familiaridade entre as variadas metodologias e teorias pedagógicas que possam servir de base para o “fazer” pedagógico, coloca o educador um passo à frente do cumprimento dos objetivos propostos para esta fase do Ensino Fundamental 01.

Compreender que cada pessoa tem suas particularidades no modo como percebe e entende o mundo e move-se com ele, é uma proposta que dará início a qualquer pesquisa dentro da práxis.

Ser educador é possuir orientações e ter disposição para conduzir de maneira consciente situações de aprendizagem, que oportunizem as crianças condições favoráveis para que possam atingir um amadurecimento intelectual, social, afetivo, etc.

É uma tarefa muito difícil nos dias de hoje, em que não se lida apenas com a educação formal e o preparo do profissional da educação tem deixado muito a desejar, isso sem mencionar os outros problemas.

Vivemos em um ambiente escolar com as mais variadas situações, para as quais, muitas vezes não se obteve preparo algum.

O que fazer? Essa é uma questão que tenho carregado como base para toda a minha pesquisa e prática dentro da Educação. É uma questão que sempre reflito frente á análise da prática, teoria e do aprendido com ambos. Creio não existir uma única resposta, seria totalmente incoerente com minhas palavras no decorrer deste texto dar uma resposta única. Nossa sociedade é dinâmica e tudo muda a cada instante, inclusive o nosso microcosmo – a sala de aula.

A condição para responder esta questão depende do que você é, de como faz, de como transmite algo, do que valoriza, dos valores que têm e de como se sente em relação às escolhas e situações.

“Jamais faça algo que não condiz com aquilo que acredita ser. E não devemos nos esquecer do quanto ensinamos através de nossas atitudes, muito mais do que com discursos inflamados”.

Ler, pesquisar, fazer, refletir e tornar todas as coisas em um hábito de prazer.

Por Elaine Cris Andrade 

Janeiro de 2016